Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O melhor do Mundo

19
Mar18

Não precisamos todos do melhor pai do mundo...

Precisamos de um pai que nos torne orgulhosos daquilo que somos.

Não posso dizer que tenho uma ótima relação com o meu pai. Talvez nem possa dizer que tenho uma boa relação com ele. Temos uma relação, assim crua, sem adjetivos.

Nem sempre foi assim. Felizmente tenho boas memórias do meu pai, durante a minha infância. Lembro-me de ficar feliz quando ele chegava a casa, de ele me ir dar sempre, sem excepção, um beijo antes de sair de casa para trabalhar, que me acordava e na altura me deixava chateada (ninguém gosta de ser acordado naqueles minutos finais do sono). Lembro-me de cócegas e de brincadeiras. Lembro-me de férias em família e dos almoços de domingo que eram sempre frango assado, e mesmo sendo sempre, não cansava, porque eram os únicos almoços todos juntos e no verão, até aconteciam quintal, com a melodia (e a ameaça) das abelhas a pairar no limoeiro.

Mas também me lembro de ele ter sido, sempre, uma pessoa teimosa e pouco flexível.

Depois, com o passar dos anos, com a maturidade e com o moldar da minha própria personalidade, fui resgatando memorias e atribuindo traços de personalidade a essas memórias.

Ao meu pai só interessava se passávamos de ano, não sabia quando tínhamos teste, que matéria andávamos a dar. Não perguntava se éramos felizes com os nossos amigos, queria saber quem eram os pais deles e qual era o ganha pão deles. Não perguntava como tinha sido o nosso dia, mas chegava a ralhar devido a mal entendidos, a coisas que apanhava no ar. Não perguntava se o que tinha idealizado para nós nos faria felizes, no preenchia. 

Durante a minha adolescência, eu segui um caminho bem diferente do dele. Se fisicamente somos parecidos (dizem que sim mas ainda estou para descobrir essas parecenças), no que respeita à personalidade, somos água e azeite.

Para mim mudar de desporto todos os anos era vontade de querer experimentar tudo, era curiosidade. Para ele era não gostar de nada. Para mim, hoje, mudar de emprego, por opção, com alguma regularidade é ambição, para ele é insatisfação. Para mim igualdade de direitos independentemente do género, raça, orientação sexual, é um direito fundamental, para ele os homossexuais são "essa gente", a expressão "os pretos" é utilizada de forma pejorativa e as mulheres devem conter-se mais que os homens.

Ao longo dos últimos 10 anos, a minha relação com o meu pai foi-se tornando mais frágil, muita coisa aconteceu que levou a isso. Somos, mais uma vez, água e azeite mas, somos também polos opostos que, apesar de tudo, ainda têm algum magnetismo. Fraco, mas ainda se atraem. Ainda há dias bons, ainda há coração a bater com esperança que tudo volte à magia das cócegas e dos beijos da manhã.

Apesar destes últimos dez anos, continua e continuará a ser o meu pai, porque sem ele, sem este seu feitio, sem estas suas características, eu também não seria quem sou. E gosto tanto de ser quem sou!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub