Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O melhor do Mundo

24
Jun17

Feeeeerias 1ª volta! #5

O segundo dia em Roterdão foi para visitar um local que não estava nos planos, mas como disse no post anterior, como conseguimos ver quase tudo no primeiro dia, e só tínhamos autocarro ao fim da tarde, o tempo tinha que ser ocupado.

O L. descobriu que havia um Zoo na cidade e não se calou com o assunto. Eu, como excelente namorada que sou, acedi às suas vontades e lá fomos.

Na ida para lá atravessámos um parque onde havia vários campos de jogos e em cada um havia grupos de crianças, de várias escolas, a brincar. Eram pequenas e andavam livres, ao ar livre. Quando cada vez menos vemos isso em Portugal, fiquei feliz por saber que ainda há locais onde se valorizam estes momentos (o chamamento de Roterdão é forte). 

Para muitas pessoas os Zoos são prisões que exibem os seus reclusos, e em certa parte não deixa de ser verdade, mas são também espaços que fazem um enorme trabalho de preservação de espécies em risco. Estão cada vez mais "humanizados" e tentam recriar os habitats naturais, apesar de em alguns casos ser impossível.

O Zoo de Roterdão está muito bem organizado, uma vez que está dividido por áreas geográficas como África, Ásia, América do Norte, América do Sul, Austrália e Europa. É possivel ver algumas espécie que não existem em Lisboa e com algumas espécies é possível uma interação muito próxima. Por exemplo, há um tunel por baixo do habitat dos cães da pradaria, que permite aceder a um buraco no centro do seu território e interagir com eles.

Por minutos perdemos o nascimento de uma gazela, mas ainda vimos aqueles primeiros momentos em que a vida ganha toda uma outra dimensão e a pequena cria tentar colocar-se em pé.

 

 A zona da América do Sul é uma pequena recriação da Amazónia. Houve pessoas a desistir de visitar quando passaram da porta, a humidade é de tal ordem elevada que falta o ar, as roupas ficam imediatamente coladas ao corpo e o suor começa a correr em bica (eu sei que a descrição não é agradável, mas é o que é). Fora isso é um local bonito, onde podemos observar flora única. Havia imensas borboletas, de diversas espécies, mas são seres esguios e que não gostam de paparazzi, por isso só consegui fotografar duas espécies. Quanto aos nenúfares, dava para dançar o foxtrot lá em cima.

 Deixámos para último o espaço que mais cativou o L. a querer visitar este Zoo. Há uma espécie de oceanário, bem mais pequeno do que o nosso Oceanário de Lisboa, com menos espécies, mas com um pormenor que faz valer a pena a visita. Qual é o pormenor? Vejam vocês mesmos.

Isso mesmo, um tunel que passa por baixo do tanque. É lindo e vale muito a pena visitar.

Foi isto o nosso quarto dia de férias. O último antes de irmos para o destino final e mais aguardado.

Mas isto também significava que as férias estavam a chegar ao fim... 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub