Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O melhor do Mundo

03
Abr18

Desafio 1 mês vegan #fim

Pois é, parace que o mito de a vida passar a voar depois dos 18 anos é mesmo verdade. Parece que ainda ontem comecei este desafio e já está terminado.

Apesar da vontade de comer alguns alimentos, não fiquei à espera da meia-noite para atacar a fatia de queijo com um pontinho de bolor que tinha no frigorífico, não abri uma lata de atum para comer à colher. Este mês foi um período bastante tranquilo em termos alimentares, encarei este desafio com naturallidade e tudo correu bem. Havia dias em que sentia alguma vontade de comer certos alimentos, mas como estava focada no meu objetivo, não me senti minimamente reprimida. Até porque não tinha nenhum contrato, a não ser comigo própria, e podia revogar o desafio a qualquer momento.

Ao longo deste mês houve apenas um deslize, que não pode ser verdadeiramente assim caracterizado. Passei dois dias fora e o pequeno-almoço do alojamento não tinha muita variedade e não deu para escapar ao queijo. Foi apenas uma fatia (num dia normal tinham sido mais). Por vezes era difícil decidir o que comer, ou quando se chega mais tarde a casa e ainda há jantar para fazer, pela força do hábito agarrar numas febras, num ovo e numa lata de atum parece muito mais fácil e rápido do que saltear uns cogumelos, por exemplo. Não é que seja mesmo mais fácil, mas o hábito leva a pensar assim. Não houve muita variedade, mas tratava-se apenas de uma mês de experiência e não achei necessário fazer um investimento muito grande em altervativas. 

O que foi mais difícil de resistir, mas também de contornar em determinadas receita e na praticidade, foi o quejo e os ovos. São dois alimentos que adoro, que vão bem com tudo e que facilitam muita coisa. Por vezes também subiu o desejo de comer um peixinho grelhado, ou mesmo cozido, mas foi sempre tranquilo de ultrapassar. A carne foi, sem dúvida o mais fácil. Nunca tive "desejo" de comer carne, mesmo quando o L. foi comprar frango assado para ele, não fiquei a salivar. Não excluo a hippótese de voltar a comer (por exemplo o belo do frango assado), mas acho que vai passar a ser daqueles alimentos mesmo raros na minha alimentação a partir de agora.

Em termos físicos não notei muita diferença.Não estou numa fase em que precise de perder peso, sinto-me bem em relação ao meu peso e mesmo ao meu volume corporal, mas preciso de combater umas gordurinhas que se foram acumulando ao longo de varios anos de desgraça. A celulite continua toda cá, mas sei perfeitamente que isto será um trabalho continuado de muitos meses, ou mesmo anos. Sem stress, também demorei anos a acumular, portanto o tempo trará resultados. 

Já na pele, pensei que iria ter melhores resultados, confesso. Passei a adolescência sem qualquer problema, sem borbulhas a apoquentar-me o juízo. Por volta dos 21 a minha pele apercebeu-se que se tinha esquecido de alguma coisa e cá vai disto. Acne adulto. Que bom, não é? Fui fazendo alguns tratamentos, que resultaram, mas passados alguns meses, as borbulhas regressavam. Agora já há uns 3 anos que não fazia tratamentos e as borbulhas andavam por aqui. Desde novembro que tenho usado produtos naturais e estava bem melhor, já só tinha marcas, mas.... Ao longo deste mês a coisa descambou para níveis nunca vistos. Nas últimas duas semanas foi uma autêntica festarola, com convivas a vir de todas as partes do mundo e a alojar-se na minha testa. Não associo à alimentação, trata-se de um problema hormonal (e que stressante foi este mês em termos profissionas e pessoais), mas tinha esperança que uma alimentação mais cuidada pudesse ajudar. Para já, nada feito. 

Findo o desafio, como vai ser a minha alimentação?

Essencialmente vegetariana.

Vou manter o consumo de ovos e produtos derivados do leite pois, apesar de consumir bebidas vegetais, não consigo resistir ao queijo e às natas (em ocasiões especiais).

Quanto ao peixe, vou andar afastada do consumo, no entanto num dia em que o desejo chame ou em que faça refeições fora e não haja alternativas, não farei questão de resistir.

Já a carne, apesar de prever o consumo excecionalmente, tentarei excluí-la da minha alimentação. 27 anos a consumir carne acho que já deu para uma boa reserva.

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D